dnsmasq (Português)

From ArchWiki
Jump to: navigation, search

Status de tradução: Esse artigo é uma tradução de Dnsmasq. Data da última tradução: 2018-11-06. Você pode ajudar a sincronizar a tradução, se houver alterações na versão em inglês.

dnsmasq fornece um servidor DNS, um servidor DHCP com suporte a DHCPv6 e PXE, e um servidor TFTP. Ele é projetado para ser leve e ter um tamanho reduzido, adequado para roteadores e firewalls com recursos restritos. O dnsmasq também pode ser configurado para armazenar em cache as consultas DNS para melhorar as velocidades de pesquisa de DNS nos sites visitados anteriormente.

Instalação

Instale o pacote dnsmasq.

Iniciar o daemon

Inicie/habilite dnsmasq.service.

Para ver se o dnsmasq iniciou adequadamente, verifique o journal do sistema:

$ journalctl -u dnsmasq.service

A rede também precisará ser reiniciada de forma que o cliente DHCP possa criar um novo /etc/resolv.conf.

Configuração

Para configurar o dnsmasq, você precisa editar /etc/dnsmasq.conf. O arquivo contém extensos comentários explicando suas opções. Para todas as opções disponíveis, veja dnsmasq(8).

Atenção: Por padrão, o dnsmasq habilita seus servidores DNS. Se você não quiser este serviço, você precisa desabilitá-lo explicitamente definindo a porta do DNS para 0:
port=0
Dica: Para verificar a sintaxe do(s) arquivo(s) de configuração, execute:
$ dnsmasq --test

Servidor DNS

Para configurar o dnsmasq como um daemon de cache DNS em um único computador, especifique uma diretiva listen-address, adicionando o endereço IP do host local:

listen-address=::1,127.0.0.1

Para usar este computador para ouvir em seu endereço IP da LAN para outros computadores na rede. Recomenda-se que você use um IP de LAN estático neste caso. Por exemplo:

listen-address=::1,127.0.0.1,192.168.1.1

Defina o número de nomes de domínios em cache com cache-size=tamanho (o padrão é 150):

cache-size=1000

Para validar o DNSSEC carregue as âncoras de confiança DNSSEC fornecidas pelo pacote dnsmasq e defina a opção dnssec:

conf-file=/usr/share/dnsmasq/trust-anchors.conf
dnssec

Veja o dnsmasq(8) para mais opções que você pode querer usar.

Arquivo de endereços DNS e encaminhamento

Depois de configurar o dnsmasq, você precisa adicionar os endereços de host local como os únicos servidores de nomes em /etc/resolv.conf. Isso faz com que todas as consultas sejam enviadas para o dnsmasq.

Como o dnsmasq não é um servidor DNS recursivo, você deve configurar o encaminhamento para um servidor DNS externo. Isso pode ser feito automaticamente usando openresolv ou especificando manualmente o endereço do servidor DNS na configuração do dnsmasq.

openresolv

Se seu gerenciador de rede tiver suporte a resolvconf, em vez de alterar diretamente o /etc/resolv.conf, você pode usar o openresolv para gerenciar arquivos de configuração para o dnsmasq. [1]

Edite /etc/resolvconf.conf e adicione os endereços de loopback como servidores de nomes e configure o openresolv para escrever a configuração do dnsmasq:

/etc/resolvconf.conf
# Usa o servidor de nomes local
name_servers="::1 127.0.0.1"

# Escreve os arquivos resolv e de configuração estendida do dnsmasq
dnsmasq_conf=/etc/dnsmasq-openresolv.conf
dnsmasq_resolv=/etc/dnsmasq-resolv.conf

Executa resolvconf -u de forma que os arquivos de configuração sejam criados. Se os arquivos não existirem, dnsmasq.service vai falhar ao iniciar.

Edite o arquivo de configuração do dnsmasq para usar a configuração gerada do openresolv:

# Leia a configuração gerada pelo openresolv
conf-file=/etc/dnsmasq-openresolv.conf
resolv-file=/etc/dnsmasq-resolv.conf
Encaminhamento manual

Primeiro, você deve definir endereços de localhost como os únicos servidores de nomes no /etc/resolv.conf:

/etc/resolv.conf
nameserver ::1
nameserver 127.0.0.1

Veja Resolução de nome de domínio#Sobrescrita do /etc/resolv.conf sobre como proteger /etc/resolv.conf contra modificação.

Os endereços de servidor DNS upstream devem então ser especificados no arquivo de configuração do dnsmasq como server=endereço_servidor. Também adicione no-resolv para que o dnsmasq não leia desnecessariamente /etc/resolv.conf que contém apenas os endereços de host local de si mesmo.

no-resolv

# Servidores do Google, por exemplo
server=8.8.8.8
server=8.8.4.4

Agora, as consultas de DNS serão resolvidas com dnsmasq, verificando somente os servidores externos se não puder responder à consulta de seu cache.

Adicionando um domínio personalizado

É possível adicionar um domínio personalizado a hosts em sua rede (local):

local=/lan/
domain=lan

Neste exemplo é possível pingar um host/dispositivo (p.ex., definido em seu arquivo /etc/hosts) como hostname.lan.

Descomente expand-hosts para adicionar um domínio personalizado a entradas de host:

expand-hosts

Sem essa configuração, você terá que adicionar o domínio às entradas de /etc/hosts.

Testar

Para fazer um teste de velocidade de pesquisa, escolha um site que não tenha sido visitado desde que o dnsmasq foi iniciado (o drill faz parte do pacote ldns):

$ drill archlinux.org | grep "Query time"

Executar o comando novamente usará o IP do DNS em cache e resultará em um tempo de pesquisa mais rápido se o dnsmasq estiver configurado corretamente:

$ drill archlinux.org | grep "Query time"
;; Query time: 18 msec
$ drill archlinux.org | grep "Query time"
;; Query time: 2 msec

Para testar se a validação do DNSSEC está funcionando, veja DNSSEC (Português)#Testando.

Servidor DHCP

Por padrão, o dnsmasq tem a funcionalidade de DHCP desativada, se você quiser usá-la, deve ativá-la. Aqui estão as configurações importantes:

# Ouve apenas à placa de rede 'LAN-NIC' dos roteadores. Fazer isso abre
# a porta 53 tcp/udp para o localhost e a porta 67 udp para o mundo:
interface=<LAN-NIC>

# O dnsmasq vai abrir a porta 53 tcp/udp e porta 67 udp para o mundo
# para ajudar com interfaces dinâmicas (atribuição de IPs dinâmicos).
# O dnsmasq vai descartar requisições do mundo a elas, mas os paranoicos
# podem querer fechá-las e deixar o kernel lidar com elas:
bind-interfaces

# Opcionalmente, defina um nome de domínio
domain=example.com

# Defina o gateway padrão
dhcp-option=3,0.0.0.0

# Defina os servidores DNS para anunciar
dhcp-option=6,0.0.0.0

# Intervalo dinâmico de IPs para disponibilizar ao computador e o tempo
# de concessão. Idealmente, defina o tempo de concessão para 5m apenas
# no começo para testar se tudo funciona bem antes de você definir
# registros duradouros:
dhcp-range=192.168.111.50,192.168.111.100,12h

# Se você quiser ter o dnsmasq atribuindo IPs estáticos para alguns
# clientes, vincule os endereços MAC da placa de rede dos computadores:
dhcp-host=aa:bb:cc:dd:ee:ff,192.168.111.50
dhcp-host=aa:bb:cc:ff:dd:ee,192.168.111.51

Veja dnsmasq(8) para mais opções.

Testar

A partir de um computador conectado ao dnsmasq, configure-o para usar o DHCP para atribuição automática de endereço IP e, em seguida, tente efetuar login na rede normalmente.

Se você inspecionar o arquivo /var/lib/misc/dnsmasq.leases no servidor, poderá ver a concessão.

Servidor TFTP

O dnsmasq tem um servidor TFTP embutido.

Para usá-lo, crie um diretório para a raiz do TFTP (p.ex., /srv/tftp) para colocar arquivos transferíveis nele.

Para aumentar a segurança, é aconselhável usar o modo seguro de TFTP do dnsmasq. No modo seguro, apenas os arquivos pertencentes ao usuário dnsmasq serão atendidos pelo TFTP. Você precisará fazer chown na raiz do TFTP e todos os arquivos nele para o usuário dnsmasq usar este recurso.

Habilite o TFTP:

enable-tftp
tftp-root=/srv/tftp
tftp-secure

Veja dnsmasq(8) para mais opções.

Servidor PXE

O PXE requer servidores DHCP e TFTP, ambas as funções podem ser fornecidas pelo dnsmasq.

Dica: O dnsmasq pode ser executado no modo "proxy-DHCP" e adicionar opções de inicialização PXE a uma rede com um servidor DHCP já em execução:
interface=enp0s0
bind-dynamic
dhcp-range=192.168.0.1,proxy
  1. defina #Servidor TFTP e #Servidor DHCP
  2. copie e configure um gerenciador de boot compatível com PXE (p.ex., PXELINUX) na raiz do TFTP
  3. habilite PXE no /etc/dnsmasq.conf:
Nota:
  • caminhos de arquivos são relativos à raiz do TFTP
  • se o arquivo tem um sufixo .0, você deve excluir o sufixo nas opções pxe-service

Para apenas enviar um arquivo:

dhcp-boot=lpxelinux.0

Para enviar um arquivo dependente da arquitetura do cliente:

pxe-service=x86PC, "PXELINUX (BIOS)", "bios/lpxelinux"
pxe-service=X86-64_EFI, "PXELINUX (EFI)", "efi64/syslinux.efi"
Nota: No caso de pxe-service não funcionar (especialmente para clientes baseados em UEFI), a combinação de dhcp-match e dhcp-boot pode ser usada. Veja RFC4578 para mais números de client-arch para usar com o protocolo de inicialização de dhcp.
dhcp-match=set:efi-x86_64,option:client-arch,7
dhcp-match=set:efi-x86_64,option:client-arch,9
dhcp-match=set:efi-x86,option:client-arch,6
dhcp-match=set:bios,option:client-arch,0
dhcp-boot=tag:efi-x86_64,"efi64/syslinux.efi"
dhcp-boot=tag:efi-x86,"efi32/syslinux.efi"
dhcp-boot=tag:bios,"bios/lpxelinux.0"

Veja dnsmasq(8) para mais opções.

O resto é por conta do gerenciador de boot.

Dicas e truques

Evitar que o OpenDNS redirecione as consultas do Google

Para evitar que o OpenDNS redirecione todas as consultas do Google para seu próprio servidor de pesquisa, adicione ao /etc/dnsmasq.conf:

server=/www.google.com/<IP do DNS do provedor>

Substituir endereços

Em alguns casos, como ao operar um portal cativo, pode ser útil resolver nomes de domínios específicos para um conjunto de endereços codificados. Isso é feito com a configuração address:

address=/example.com/1.2.3.4

Além disso, é possível retornar um endereço específico para todos os nomes de domínio que não são respondidos de /etc/hosts ou DHCP usando um curinga especial:

address=/#/1.2.3.4

Mais de uma instância

Se quisermos que dois ou mais servidores dnsmasq funcionem por interface(s).

Estático

Para fazer isso de forma estática, servidor por interface, use as opções interface e bind-interface. Esta execução inicial segundo dnsmasq.

Dinâmico

Neste caso, podemos excluir por interface e vincular quaisquer outras:

except-interface=lo
bind-dynamic
Nota: Esse é o padrão no libvirt.

Veja também