fsck (Português)

From ArchWiki
Jump to navigation Jump to search

Status de tradução: Esse artigo é uma tradução de fsck. Data da última tradução: 2020-04-12. Você pode ajudar a sincronizar a tradução, se houver alterações na versão em inglês.

fsck, acrônimo do inglês de "File System Check", que significa "verificação do sistema de arquivos " é usado para verificar e, opcionalmente, reparar um ou mais sistemas de arquivos Linux. Normalmente, o programa fsck irá tentar manusear sistemas de arquivos em diferentes discos físicos em paralelo para reduzir o tempo total necessário para verificar todos os sistemas de arquivos (veja: fsck(8)).

O processo de inicialização do Arch Linux convenientemente cuida dos procedimentos fsck por você e irá verificar todas as partições relevantes em seu(s) dispositivo(s) automaticamente em cada inicialização. Consequentemente, geralmente não há necessidade de recorrer à linha de comando.

Verificação durante inicialização do sistema

Mecanismo

Há duas opções:

  1. mkinitcpio oferece a opção de executar fsck em seu sistema de arquivos raiz antes de montá-lo pelo hook do fsck. Ao fazer isto, você deverá montar a raiz em modo de escrita pelo apropriado parâmetro do kernel rw.[1]
  2. systemd irá executar fsck em todos os sistemas de arquivos, exceto os que tenham um código execução definido superior a 0 (em /etc/fstab ou arquivo init definido pelo usuário). Para o sistema de arquivos raiz, ele também deve ser montado inicialmente em modo somente-leitura com o parâmetro do kernel ro para depois ser remontado em modo de escrita pelo fstab (note que a opção de montagem defaults implica rw).

A primeira opção descrita é a padrão, e é a obtida se você seguir o guia de instalação. Se, ao invés dela, ocorrer a opção 2, você precisará remover o hook do fsck de mkinitcpio.conf e usar ro na linha de comando do kernel. O parâmetro do kernel fsck.mode=skip pode ser usado para certificar-se de que fsck está completamente desativado para ambas as opções.

Forçando a verificação

Se você usar o hook base do mkinitcpio, será possível forçar a execução do fsck durante a inicialização passando fsck.mode=force como um parâmetro do kernel. Isto fará com que ele verifique cada sistema de arquivos existente na máquina.

Alternativamente, systemd fornece systemd-fsck@.service(8), que verifica todos os sistemas de arquivos configurados, os quais não foram verificados em initramfs. Contudo, verificar o sistema de arquivos raiz dessa maneira irá causar uma demora no processo de inicialização, já que o sistema de arquivos precisará ser remontado.

Tango-view-fullscreen.pngThis article or section needs expansion.Tango-view-fullscreen.png

Reason: É possível executar fsck pela initramfs usando o hook do systemd? (Discuss in Talk:Fsck (Português)#)
Nota: Para aqueles acostumados em usar outras distribuições GNU/Linux, os truques antigos que consistiam em escrever um arquivo com o nome forcefsck na raiz do sistema de arquivos ou usando o comando shutdown com a opção -F, somente funcionavam no antigo SysVinit e em versões anteriores do Upstart, e não estão mais funcionando com o systemd. O método descrito acima, portanto, é a única que funciona com Arch Linux.

Dicas e truques

Tentar reparar blocos danificados

Para automaticamente reparar setores danificados, execute:

Atenção: Isto não irá perguntar se você deseja repará-los, já que a resposta padrão será Sim quando você executá-lo.
# fsck -a

Reparar blocos danificados interativamente

Dica: Isto é útil quando um arquivo na partição de inicialização foi alterado, e o journal falhou em atualizá-lo corretamente. Neste caso, desmonte a partição de inicialização, e execute o seguinte código:

Para reparar setores danificados, execute:

# fsck -r <drive>

Alterando a frequência de verificação

Por padrão, fsck verifica o sistema de arquivos a cada 30 inicializações (contadas individualmente para cada partição). Para alterar a frequência de verificação, execute:

# tune2fs -c 20 /dev/sda1

Neste exemplo, 20 é o número de inicializações que ocorrerão entre duas verificações.

Note que 1 fará com que a verificação ocorra em cada inicialização, ao passo que 0 faria com que a varredura deixasse de ocorrer.

Dica: Se desejar ver a frequência e a atual contagem de montagens para uma partição específica, use:
# dumpe2fs -h /dev/sda1 | grep -i 'mount count'

Opções do fstab

fstab é um arquivo de configuração do sistema e é usado para informar ao Linux kernel quais partições (sistemas de arquivos) montar e onde estará a árvore do sistema de arquivos.

Um entrada típica do /etc/fstab será algo semelhante a isto:

/dev/sda1   /         ext4      defaults       0  1
/dev/sda2   /other    ext4      defaults       0  2
/dev/sda3   /win      ntfs-3g   defaults       0  0

A sexta coluna (em negrito) é a opção do fsck.

  • 0 = Não verificar.
  • 1 = Primeiro sistema de arquivos (partição) passar pela verificação; / (partição raiz) deverá ser definida com 1.
  • 2 = Todos os outros sistemas de arquivos a serem verificados.

Solução de problemas

Não é possível executar fsck em uma partição /usr separada

  1. Certifique-se de que você definiu hooks em /etc/mkinitcpio.conf e que você lembrou-se de recriar sua imagem initramfs após editar este arquivo.
  2. Verifique seu fstab! Somente a partição raiz precisa de "1" ao final da linha, todos os demais deverão conter "2" ou "0". Cuidadosamente verifique se há quaisquer erros de digitação.

ext2fs : no external journal

Às vezes (devido à falta de energia), um sistema de arquivos ext(3/4) poderá corromper-se de modo que um reparo normal não será capaz de solucionar. Normalmente, haverá um prompt do fsck indicando que não pôde encontrar um journal externo. Neste caso, execute os seguintes comandos:

Desmontar a partição baseada em seu diretório

# umount <diretório>

Gravar um novo journal à partição

# tune2fs -j /dev/<partition>

Executar fsck para reparar a partição

# fsck -p /dev/<partition>