Locale (Português)

From ArchWiki
Jump to: navigation, search
Status de tradução: Esse artigo é uma tradução de Locale. Data da última tradução: 2018-11-04. Você pode ajudar a sincronizar a tradução, se houver alterações na versão em inglês.

Locales, por vezes chamados em português de localidades, são usados pelo glibc e outros programas ou bibliotecas conscientes de locales para renderizar texto, exibindo corretamente valores monetários regionais, formatos de hora e data, idiossincrasias alfabéticas e outros padrões específicas para locales.

Gerando locales

Nomes de locales geralmente possuem a forma idioma[território][.código][@modificador], sendo idioma um código de idiomas da ISO 639, território um código de países da ISO 3166 e .código uma codificação de caracteres ou identificador de codificação como ISO-8859-1 ou UTF-8. Veja setlocale(3).

Para uma lista de locales habilitados, execute:

$ locale -a

Antes que um locale possa ser habilitado no sistema, ele deve ser gerado. Isso pode ser alcançado descomentando as entradas corretas em /etc/locale.gen e executando locale-gen. Da mesma forma, comentar entradas desabilita seus respectivos locales. Ao fazer alterações, considere quaisquer localizações necessárias para outros usuários no sistema, bem como #Variáveis específicas.

Por exemplo, descomente pt_BR.UTF-8 UTF-8 para português brasileiro:

/etc/locale.gen
...
#ps_AF UTF-8  
pt_BR.UTF-8 UTF-8  
#pt_BR ISO-8859-1
...

Salve o arquivo e gere o locale:

# locale-gen
Nota:
  • locale-gen também é executado em toda atualização de glibc. [1]
  • UTF-8 é recomendado sobre outras codificações de caracteres. [2]

Configurando o locale

Para exibir o locale atualmente configurado e suas configurações ambientais relacionadas, digite:

$ locale

O locale a ser usado, escolhido dentre os previamente gerados, é configurado em arquivos locale.conf. Cada um desses arquivos deve conter uma lista, separada por nova linha, de atribuições de variáveis de ambiente, tendo o mesmo formato que a saída de locale.

Para listar os locales disponíveis que foram gerados previamente, execute:

$ localedef --list-archive

Alternativamente, use localectl(1):

$ localectl list-locales

Configurando o locale do sistema

Para configurar o locale do sistema, escreva variável LANG no /etc/locale.conf, sendo que pt_BR.UTF-8 pertence à primeira coluna de uma entrada não comentada em /etc/locale.gen:

/etc/locale.conf
LANG=pt_BR.UTF-8

Alternativamente, execute:

# localectl set-locale LANG=pt_BR.UTF-8

Veja #Variáveis e locale.conf(5) para detalhes.

Sobrepondo locale do sistema por sessão de usuário

O locale para todo sistema pode ser sobrescrito em cada sessão de usuário criando ou editando ~/.config/locale.conf (ou, em geral, $XDG_CONFIG_HOME/locale.conf ou $HOME/.config/locale.conf).

A precedência desses arquivos locale.conf é configurada em /etc/profile.d/locale.sh.

Dica:
  • Isso também pode permitir manter os logs em /var/log em inglês enquanto usa o idioma local na variável do usuário.
  • Você pode criar um arquivo /etc/skel/.config/locale.conf para que qualquer novos usuários adicionados usando useradd e a opção -m vai ter ~/.config/locale.conf gerado automaticamente.

Fazer alterações de locale imediatas

Uma vez que os arquivos locale.conf de sistema e de usuários terem sido criados ou editados, seus novos valores terão efeito para novas sessões na autenticação. Para fazer o ambiente atual usar as novas configurações, desconfigure LANG e carregue /etc/profile.d/locale.sh:

$ unset LANG
$ source /etc/profile.d/locale.sh
Nota: A variável LANG tem que ser desconfigurada primeiro, do contrário locale.sh não vai atualizar os valores de locale.conf. Apenas variáveis novas e alteradas serão atualizadas; variáveis removidas de locale.conf ainda estão configuradas na sessão.

Outros usos

As variáveis de locale também podem ser definidas com os métodos padrão como explicado em Variáveis de ambiente.

Por exemplo, para testar ou depurar um aplicativo em particular durante o desenvolvimento, ele poderia ser iniciado com alguma coisa como:

$ LANG=C ./meu_aplicativo.sh

Da mesma forma, para definir o locale para todos os processo executados pela shell atual (por exemplo, durante a instalação do sistema):

$ export LANG=C

Variáveis

Os arquivos locale.conf oferecem suporte às seguintes variáveis de ambiente:

  • LANG
  • LANGUAGE
  • LC_ADDRESS
  • LC_COLLATE
  • LC_CTYPE
  • LC_IDENTIFICATION
  • LC_MEASUREMENT
  • LC_MESSAGES
  • LC_MONETARY
  • LC_NAME
  • LC_NUMERIC
  • LC_PAPER
  • LC_TELEPHONE
  • LC_TIME

O significado completo das variáveis LC_* acima pode ser localizado na página man locale(7), enquanto os detalhes de suas definições estão descritas em locale(5).

LANG: locale padrão

O locale configurado para essa variável será usado para todas as variáveis LC_* que não forem configuradas explicitamente.

LANGUAGE: locales reservas

Os programas que usam gettext para traduções respeitam a opção LANGUAGE além das variáveis usuais. Isso permite que usuários para especificar uma lista de locales que serão usados naquela ordem. Se uma tradução para o locale preferido não está disponível, outro de um locale similar será usado em vez do padrão. Por exemplo, um usuário australiano pode querer usar a ortografia britânica em vez da americana:

locale.conf
LANG=en_AU.UTF-8
LANGUAGE=en_AU:en_GB:en

LC_TIME: formato de data e hora

Se LC_TIME estiver configurado para en_US.UTF-8, por exemplo, o formato de data será "MM/DD/AAAA". Caso prefira usar o formato de data da ISO 8601 de "AAAA-MM-DD", use:

locale.conf
LC_TIME=en_DK.UTF-8
Nota: Os programas não necessariamente respeitam essa variável para formatar a data. Por exemplo, date(1) usa seus próprios parâmetros para fazê-lo.

LC_COLLATE: colação

Essa variável governa as regras de colação usadas para ordenação e expressões regulares.

Configurar o valor para C pode, por exemplo, fazer o comando ls ordenar arquivos iniciados com ponto primeiro, seguidos por nomes de arquivos em maiúsculo e minúsculo:

locale.conf
LC_COLLATE=C

Veja também [3].

Para evitar problemas potenciais, o Arch costumava definir LC_COLLATE=C em /etc/profile, mas esse método está agora obsoleto.

LC_ALL: solução de problemas

O locale configurado para essa variável sempre sobrescreverá LANG e todas outras variáveis LC_*, independentemente de estarem definidas ou não.

LC_ALL é a única variável LC_* que não pode ser definida em arquivos locale.conf: ela é feita para ser usada apenas para propósito de testar ou solucionar problemas, por exemplo, em /etc/profile.

Solução de problemas

Meu terminal não possui suporte a UTF-8

A lista a seguir mostra alguns (não todos) terminais que oferecem suporte a UTF-8:

Gnome-terminal ou rxvt-unicode

Você precisa iniciar esses aplicativos a partir de um locale UTF-8 ou eles não terão suporte a UTF-8. Habilite o locale pt_BR.UTF-8 (ou sua alternativa UTF-8 local) com as instruções acima e configure-o como o locale padrão, então reinicie.

Meu sistema ainda está usando o idioma errado

É possível que as variáveis de ambiente sejam redefinidas em outros arquivos além de locale.conf, por exemplo ~/.pam_environment. Veja Variáveis de ambiente#Definindo variáveis para detalhes.

Se você está usando um ambiente gráfico, como o GNOME, suas configurações de idioma podem estar sobrescrevendo as configurações em locale.conf.

KDE Plasma também permite alterar o idioma da interface de usuário por meio de configurações do sistema. Se o ambiente gráfico ainda está usando o idioma padrão após a modificação, excluir o arquivo em ~/.config/plasma-localerc (anteriormente: ~/.config/plasma-locale-settings.sh) deve resolver o problema.

Veja também