Difference between revisions of "Secure Shell (Português)"

From ArchWiki
Jump to: navigation, search
(OpenSSH)
(Tips and Tricks)
Line 256: Line 256:
  
  
= Tips and Tricks =
+
= Dicas e Truques =
  
== Encrypted Socks Tunnel ==
+
== Túnel criptografado ==
This is highly useful for laptop users connected to various unsafe wireless connections. The only thing you need is an SSH server running at a somewhat secure location, like your home or at work. It might be useful to use a dynamic DNS service like [http://www.dyndns.org/ DynDNS] so you don't have to remember your IP-address.
+
Isso é muito util para usuário de notebook conectado a várias redes inseguras. A única coisa que você precisa é um servidor ssh sendo executado em alguma localização segura, como sua casa ou trabalho. Pode ser util fazer uso de um serviço de DNS dinâmico como [http://www.dyndns.org/ DynDNS] assim você não precisa lembrar o seu endereço IP.
  
=== Step 1: Start the Connection ===
+
=== Primeiro Passo: Iniciar a Conexão ===
You only have to execute this single command in your favorite terminal to start the connection:
+
Você tem apenas que executar esse único comando no seu terminal favorito para iniciar a conexão:
  $ ssh -ND 4711 user@host
+
  $ ssh -ND 4711 usuario@host
where {{Codeline|"user"}} is your username at the SSH server running at the {{Codeline|"host"}}. It will ask for your password, and then you're connected! The {{Codeline|"N"}} flag disables the interactive prompt, and the {{Codeline|"D"}} flag specifies the local port on which to listen on (you can choose any port number if you want).
+
onde {{Codeline|"usuario"}} é o seu usuário no servidor SSH executando em {{Codeline|"host"}}. Ele irá pedir sua senha, e então você estará conectado! A opção {{Codeline|"N"}} desabilita o "prompt" interativo, e a opção {{Codeline|"D"}} especifica a porta local na qual ele ouvirá (você pode escolher qualquer numero de porta de sua preferência).
  
One way to make this easier is to put an alias line in your {{Filename|~/.bashrc}} file as following:
+
Uma forma de fazer isso mais facil é colocar um atalho no seu arquivo {{Filename|~/.bashrc}} da seguinte forma:
 
  alias sshtunnel="ssh -ND 4711 -v user@host"
 
  alias sshtunnel="ssh -ND 4711 -v user@host"
It's nice to add the verbose {{Codeline|"-v"}} flag, because then you can verify that it's actually connected from that output. Now you just have to execute the {{Codeline|"sshtunnel"}} command :)
+
É interessante adicionar a opção de verbosidade {{Codeline|"-v"}}, porque então você pode verificar que está realmente conectado pela saída. Agora você precisa executar apenas{{Codeline|"sshtunnel"}} :)
  
 
=== Step 2: Configure your Browser (or other programs) ===
 
=== Step 2: Configure your Browser (or other programs) ===

Revision as of 19:17, 15 March 2011

Secure Shell ou SSH é um protocolo de internet que permite a troca de informações por meio de um canal seguro entre dois computadores. A encriptação proporciona sigilo e integridade da informação. SSH usa criptografia de chave-publica para autenticar no computador remoto e permitir que o computador remoto autentique o usuário, se necessário.

SSH é tipicamente utilizado para logar em um computador remoto e executar comandos, mas ele também pode ser usado para tunneling. Tranferencia de arquivos pode ser feita usando os protocolos SFTP ou SCP.

Um servidor de SSH, por padrão, roda na porta 22. Um cliente SSH geralmente é usado para estabelecer conexões com um servidor de sshd configurado para aceitar conexões remotas. Ambos estão presentes na maior parte dos sistemas operacionais modernos, incluindo GNU/Linux, MacOS X, Solaris e OpenVMS. Existem versões pagas, grátis e de código aberto.

OpenSSH

O OpenSSH (OpenBSD Secure Shell) é um conjunto de programas de computador que provê sessões de comunicação criptografada sobre uma rede de computadores utilizando o protocolo ssh. Ele foi criado como alternativa de código aberto à suite de aplicativos proprietários de Shell Seguro ( do inglês: Secure Shell ) oferecida pela SSH Communications Security. o OpenSSH é desenvolvido como parte do projeto OpenBSD, o qual é liderado por Theo de Raadt.

O OpenSSH é ocasionalmente confundido com o OpenSSL devido aos nomes parecidos; embora os projetos tenham propósitos diferentes e sejam desenvolvidos por times diferentes, os nomes similares surgiram de objetivos similares.

Instalando o OpenSSH

# pacman -S openssh

Configurando o SSH

Cliente

O arquivo de configuração do cliente SSH pode ser encontrado e editado em Template:Filename.

Um exemplo de configuração:

Template:File

É recomendado alterar a linha do Protocolo para:

Protocol 2

Dessa forma, apenas o protocolo 2 será utilizado, visto que a protocolo 1 é considerado inseguro.

Daemon

O Arquivo de configuração do daemon SSH pode ser encontrado e editado em Template:Filename.

Um exemplo de configuração:

Template:File


Para permitir acesso apenas por alguns usuários, adicione a seguinte linha:

AllowUsers    user1 user2

Você deve querer mudar algumas linhas para que pareçam com as seguintes:

Protocol 2
.
.
.
LoginGraceTime 120
.
.
.
PermitRootLogin no # (put yes here if you want root login)

Você pode também descomentar a opção BANNER e editar Template:Filename para uma mensagem de boas vindas.

Tip: Você deve querer alterar a porta padrão de 22 para qualquer porta alta (veja em inglês security through obscurity).

Mesmo que a porta utilizada pelo ssh possa ser detectada por um port-scanner como o nmap, alterando-a irá reduzir o número de entradas nos logs por tentativas automatizadas de acesso.pts.

Tip: Desativando inteiramente logins por senha pode melhorar sua segurança, desde que cada usário com acesso ao servidor necessitará criar chaves ssh. (veja em inglês Using SSH Keys).

Template:File

Permitindo outros entrarem

Template:Box Note

Para permitir que outra pessoa conecte via ssh a sua maquina você precisa ajustar o arquivo Template:Filename, e adicionar o seguinte:

# Permite qualquer um conectar a você
sshd: ALL

# Ou, você pode restringir certos ips.
sshd: 192.168.0.1

# ou restringir uma rede de ips
sshd: 10.0.0.0/255.255.255.0

# ou restringir o ip por um padrão
sshd: 192.168.1.

Agora você deve checar o arquivo Template:Filename pela seguinte linha, e ter certeza que ela está dessa forma:

ALL: ALL

É isso. Você pode sair e outros devem conseguir entrar via ssh :).

Para utilizar as novas configurações, reinicie o daemon (as root):

# /etc/rc.d/sshd restart

Gerenciando o Daemon SSHD

Apenas adicione sshd à seção "DAEMON" do seu arquivo Template:Filename:

DAEMONS=(... ... sshd ... ...)

Para iniciar/reiniciar/parar o daemon, use o seguinte:

# /etc/rc.d/sshd {start|stop|restart}

Conectando ao servidor

Para conectar ao servidor, execute:

$ ssh -p port user@server-address


Dicas e Truques

Túnel criptografado

Isso é muito util para usuário de notebook conectado a várias redes inseguras. A única coisa que você precisa é um servidor ssh sendo executado em alguma localização segura, como sua casa ou trabalho. Pode ser util fazer uso de um serviço de DNS dinâmico como DynDNS assim você não precisa lembrar o seu endereço IP.

Primeiro Passo: Iniciar a Conexão

Você tem apenas que executar esse único comando no seu terminal favorito para iniciar a conexão:

$ ssh -ND 4711 usuario@host

onde Template:Codeline é o seu usuário no servidor SSH executando em Template:Codeline. Ele irá pedir sua senha, e então você estará conectado! A opção Template:Codeline desabilita o "prompt" interativo, e a opção Template:Codeline especifica a porta local na qual ele ouvirá (você pode escolher qualquer numero de porta de sua preferência).

Uma forma de fazer isso mais facil é colocar um atalho no seu arquivo Template:Filename da seguinte forma:

alias sshtunnel="ssh -ND 4711 -v user@host"

É interessante adicionar a opção de verbosidade Template:Codeline, porque então você pode verificar que está realmente conectado pela saída. Agora você precisa executar apenasTemplate:Codeline  :)

Step 2: Configure your Browser (or other programs)

The above step is completely useless if you don't configure your web browser (or other programs) to use this newly created socks tunnel. Since the current version of SSH supports both SOCKS4 and SOCKS5, you can use either of them.

  • For Firefox: Edit → Preferences → Advanced → Network → Connection → Setting:
Check the "Manual proxy configuration" radio button, and enter "localhost" in the "SOCKS host" text field, and then enter your port number in the next text field (I used 4711 above).
  • For Chromium: You will have to set the SOCKS settings as enviroment variables. I recommend to add the following lines to your .bashrc:
   function secure_chromium {
       port=4711
       export SOCKS_SERVER=localhost:$port
       export SOCKS_VERSION=5
       chromium &
   }

Now open a terminal and just do:

   $ secure_chromium

Enjoy your secure tunnel!

X11 Forwarding

To run graphical programs through a SSH connection you can enable X11 forwarding. An option needs to be set in the configuration files on the server and client (here "client" means your (desktop) machine your X11 Server runs on, and you will run X applications on the "server").

Install xorg-xauth on the server:

# pacman -S xorg-xauth


To use the forwarding, log on to your server through ssh:

# ssh -X -p port user@server-address

If you receive errors trying to run graphical applications try trusted forwarding instead:

# ssh -Y -p port user@server-address

You can now start any X program on the remote server, the output will be forwarded to your local session:

# xclock

If you get "Cannot open display" errors try the following command as the non root user:

$ xhost +

the above command will allow anybody to forward X11 applications. To restrict forwarding to a particular host type:

$ xhost +hostname

where hostname is the name of the particular host you want to forward to. Type "man xhost" for more details.

Be careful with some applications as they check for a running instance on the local machine. Firefox is an example. Either close running Firefox or use the following start parameter to start a remote instance on the local machine

$ firefox -no-remote

Speed up SSH

You can make all sessions to the same host use a single connection, which will greatly speed up subsequent logins, by adding those line under the proper host in Template:Filename:

ControlMaster auto
ControlPath ~/.ssh/socket-%r@%h:%p

Changing the ciphers used by SSH to less cpu-demanding ones can improve speed. In this aspect, the best choices are arcfour and blowfish-cbc. Please do not do this unless you know what you are doing; arcfour has a number of known weaknesses. To use them, run SSH with the Template:Codeline flag, like this:

# ssh -c arcfour,blowfish-cbc user@server-address

To use them permanently, add this line under the proper host in Template:Filename:

Ciphers arcfour,blowfish-cbc

Another option to improve speed is to enable compression with the Template:Codeline flag. A permanent solution is to add this line under the proper host in Template:Filename:

Compression yes

Login time can be shorten by using the Template:Codeline flag, which bypasses IPv6 lookup. This can be made permanent by adding this line under the proper host in Template:Filename:

AddressFamily inet

Another way of making these changes permanent is to create an alias in Template:Filename:

alias ssh='ssh -C4c arcfour,blowfish-cbc'

Trouble Shooting

make sure your DISPLAY string is resolveable on the remote end:

ssh -X user@server-address
server$ echo $DISPLAY
localhost:10.0
server$ telnet localhost 6010
localhost/6010: lookup failure: Temporary failure in name resolution   

can be fixed by adding localhost to Template:Filename.

Mounting a Remote Filesystem with SSHFS

Install sshfs

# pacman -S sshfs

Load the Fuse module

# modprobe fuse

Add fuse to the modules array in Template:Filename to load it on each system boot.

Mount the remote folder using sshfs

# mkdir ~/remote_folder
# sshfs USER@remote_server:/tmp ~/remote_folder

The command above will cause the folder /tmp on the remote server to be mounted as ~/remote_folder on the local machine. Copying any file to this folder will result in transparent copying over the network using SFTP. Same concerns direct file editing, creating or removing.

When we’re done working with the remote filesystem, we can unmount the remote folder by issuing:

# fusermount -u ~/remote_folder

If we work on this folder on a daily basis, it is wise to add it to the Template:Filename table. This way is can be automatically mounted upon system boot or mounted manually (if Template:Codeline option is chosen) without the need to specify the remote location each time. Here is a sample entry in the table:

sshfs#USER@remote_server:/tmp /full/path/to/directory fuse    defaults,auto,allow_other    0 0

Keep Alive

Your ssh session will automatically log out if it is idle. To keep the connection active (alive) add this to Template:Filename or to Template:Filename on the client.

ServerAliveInterval 120

This will send a "keep alive" signal to the server every 120 seconds.

Conversely, to keep incoming connections alive, you can set

ClientAliveInterval 120

(or some other number greater than 0) in Template:Filename on the server.

Save connection data in .ssh/config

Whenever you want to connect to a server, you usually have to type at least its address and your username. To save that typing work for servers you regularly connect to, you can use the Template:Filename file as shown in the following example:

Template:File

Now you can simply connect to the server by using the name you specified:

$ ssh myserver

To see a complete list of the possible options, check out ssh_config's manpage on your system or the ssh_config documentation on the official website.